Arquivo Municipal vai reunir historial de todas as famílias Albergarienses

Arquivo Municipal vai reunir historial de todas as famílias Albergarienses

Dreamweb - Agência de Comunicação

O Vereador da Cultura do Município de Albergaria-a-Velha, Delfim Bismarck, revelou que o Arquivo Municipal está a proceder a um trabalho de inventariação das famílias Albergarienses através da compilação e cruzamento de diversos registos. “Em meia dúzia de anos esperamos ter a maioria da população cadastrada”. A afirmação foi feita na terça-feira, na cerimónia de comemoração do nono aniversário do Arquivo Municipal, onde estiveram presentes vários munícipes que celebraram protocolos de doação e cedência de documentação com a Autarquia.

Com o intuito de promover a preservação da memória coletiva e o estudo da História local, o Arquivo Municipal está a proceder ao levantamento de diferentes registos – registos paroquiais de batismos, casamentos e óbitos; registos de passaporte; encomendas de fotografias da Casa Foto Gomes; registos de velocípedes, motociclos e cartas de condução; fichas de funcionários da Fábrica Alba – de forma a poder construir um historial das pessoas e famílias que viveram em Albergaria-a-Velha. Com a compilação e cruzamento da informação, o munícipe pode recolher diversos dados sobre os seus antepassados, estabelecer relações entre as pessoas e saber “por onde andaram” os familiares, caso tenham emigrado. “O projeto do Arquivo Municipal é único no País, não existe mais nenhum com esta dimensão em termos de quantidade e variedade dos registos levantados”, salienta Delfim Bismarck.

Como tem sido hábito ao longo dos anos, o Arquivo Municipal aproveitou a data do seu aniversário para celebrar protocolos de doação e cedência, sendo que, este ano, foram doze os munícipes que disponibilizaram documentação variada ao Município. Entre o material cedido, é possível destacar fotografias do século XX de Albergaria-a-Velha, negativos em vidro e película com paisagens de Angeja dos séculos XIX e XX, a brochura inaugural do Cine-teatro Alba de 1950, documentação da Quinta do Fontão, de 1816 a 1935, e a encadernação de “O Arauto de Osseloa”.

O Presidente da Câmara Municipal, António Loureiro, agradeceu a generosidade dos munícipes pela partilha de diversos documentos que contribuem para aprofundar o conhecimento do Concelho. O autarca destacou ainda o papel do Arquivo Municipal no “potenciar da riqueza da nossa História” e na sua divulgação junto de diferentes públicos, em especial, dos mais novos. “As crianças têm gosto em conhecer mais sobre as suas raízes”, afirmou, e deu o exemplo de uma escola que, nas suas salas de aula, já tem fotografias da estátua da Rainha D. Teresa “inaugurada há apenas dez dias!”

Ao longo de 2017 o Arquivo Municipal tem dado continuidade à sua missão de tratar e disponibilizar a mais diversa documentação do Concelho ao público, em especial, através do seu portal, que já conta com 2055 utilizadores, que fizeram mais de 54 mil consultas desde a sua criação. Neste ano, foi concluído o trabalho de descrição das atas da Câmara Municipal dos séculos XIX e XX, bem como a inserção de todos os processos de obras particulares e vistorias incorporadas no Arquivo, de 1948 a 1996.

Em relação ao espólio fotográfico da Foto Gomes, constituído por 200 mil chapas em vidro e película, é de salientar o registo de mais de 120 mil chapas até à década de 1970. O processo de identificação das várias fotografias está a ser desenvolvido em parceria com os utentes da Misericórdia de Albergaria-a-Velha, tendo o projeto colaborativo sido reconhecido como uma boa prática pela Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas.

24-11-2017
Fonte: CM Albergaria

Smartfire - Aquecimento e Climatização